Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores

25 04 2008

Hoje a Zé não está cá!

Vesti-lhe uma camisola vermelha. Enfeitei-a com um cravo. Enchi-lhe a cabeça com a palavra liberdade. Dei-lhe um piparote: “Vai p’rá festa, Pá!”

Para Não Dizer Que Não Falei De Flores
(Geraldo Vandré)

Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais, braços dados ou não,

Nas escolas, nas ruas, campos, construções.

Caminhando e cantando e seguindo a canção.

Vem, vamos embora que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.
Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.

Pelos campos a fome em grandes plantações
Pelas ruas marchando indecisos cordões

Ainda fazem da flor seu mais forte refrão

E acreditam nas flores vencendo o canhão.

Vem, vamos embora que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.
Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.

Há soldados armados, amados ou não,
Quase todos perdidos de armas na mão,
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição,
De morrer pela pátria e viver sem razão.

Vem, vamos embora que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.
Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.

Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Somos todos soldados, armados ou não,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais braços dados ou não
Os amores na mente, as flores no chão,
A certeza na frente, a história na mão,
Caminhando e cantando e seguindo a canção.
Aprendendo e ensinando uma nova lição.

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.
Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora não espera acontecer.

Anúncios

Acções

Information

4 responses

25 04 2008
gerard

joyeux anniverssaire a toi
gerard
“le nouveau mari de teresa”

28 04 2008
Ludo Rex

Que Abril permaneça Sempre nos nossos corações.
Viva o 25 de Abril! Viva a Liberdade!
Kiss e Boa Semana

29 04 2008
Lalage

Merci, Gerard. J’étais avec Teresa pendant le week-end 🙂
Ludo Rex, Viva!

31 10 2008
Andrea Barreto M. da Poça

Você conhece a música que o Chico Buarque fez na época da revolução dos Cravos. Ela foi censurada na época da ditadura aqui no Brasil. Não podia tocar em rádio, TV ou em casa. Mas é linda . É assim:

Tanto Mar
Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: