Mau, Maria!

25 05 2008

Não é que eu tenha uma simpatia especial pela Ministra da Educação ou uma antipatia de estimação pelos professores. Por acaso eu até sou professora. Apenas estou é a começar a acreditar nos Cursos EFA. Uau! Declaração bombástica!!!!!

Mas… essa coisa da educação e da formação das pessoas tem muito que se lhe diga. Neste momento estou a estudar um pouco melhor a educação e formação de adultos (EFA) e a descobrir realidades insuspeitas. Mais, estou a descobrir que não percebo nada disto! Tive várias turmas de ensino nocturno e… fiz tudo mal! O meu erro? Limitei-me a ler a legislação e a ouvir a experiência dos meus colegas. Reprodução. Nunca tive curiosidade em saber o que é realmente a EFA, a filosofia que está por trás. A sério, estou fascinada!

Uma rápida leitura do que é dito no site da UNESCO sobre a “Education for all”, pode ser um bom ponto de partida (está em inglês, mas é um inglês acessível).

Se os agentes e os actores desta mudança não estão informados nem consciencializados, como é que ela vai ser possível? Dos meus colegas só oiço o silêncio gritante dos que não querem ouvir: “Isto é mas é uma treta, oferecemos-lhes um canudo e eles (os alunos, os adultos e os outros) não aprendem nada. É uma fantochada. O Ministério obriga-nos a passá-los sem saberem nada”.

Mas o que é aprender? E porque é que aprender tem de ser a reprodução daquilo que nós dizemos? Se continuarmos a dar aos alunos, adultos ou não, o que lhes temos dado, será que os preparamos para viverem no mundo actual?

Este ano tive um problemazinho com um aluno que achava que eu não tinha o direito de exigir que ele não se limitasse a “decorar coisas”. Pelos vistos ele considera que é uma aberração pedir aos alunos que usem a cabeça para pensar, para questionar o que os rodeia, para saberem ler mensagens noutros formatos que não o texto escrito (é impressionante a iliteracia na leitura de mapas, gráficos e imagens – das caricaturas nem se fala). Mas o pior é que muitos dos meus colegas concordaram com o Minininho ❗

Desculpem se não encontrarem nenhum lógica interna neste texto. A minha cabeça anda neste turbilhão nos últimos dias e não há meio de encontrar um fio condutor. O trabalho terá de ser apresentado na 6.ª feira. Estou frita se não descobrir um rumo. Mau, Maria!

Anúncios

Acções

Information

One response

26 05 2008
Ka

A filosofia inerente aos cursos EFA e a base que os sustém, e a partir do qual foram criados (em 2000), faz todo o sentido. Quanto a mim o problema coloca-se na operacionalização dos mesmos, na transposição para a vertente prática com todos os condicionalismos que lhe estão associados mas que lhe são sobretudo exteriores. O que pretendo dizer é que os EFA começaram a ser desvirtuados pela lógica de mercado, de atingir resultados positivos e rápidos. E isso começou a ser mais importante do que a essência que lhes está subjacente….
Que tipo de trabalho necessitas de fazer? Não sei se poderei ajudar….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: